CLICK HERE FOR FREE BLOG LAYOUTS, LINK BUTTONS AND MORE! »

segunda-feira, 20 de junho de 2011

All Things Bright and Beautiful


Depois de muita espera, finalmente o segundo CD do Owl City foi lançado. O nome, All Things Bright and Beautiful, foi inspirado em uma rima gospel (essa informação eu descobri agora, agorinha mesmo). Eu já tinha escutado um trechinho de cada música, mas bem inho, então eu não sabia o que vinha por aí. Ouvi demais o primeiro CD, Ocean Eyes, e talvez tenha me acostumado com as músicas dele. Mas eu achei o novo tão bom quanto ou até melhor. Aí vai minha humilde opinião sobre as canções.

1)The Real World - Muuuito bonitinha! E tem a famosa frase que está no perfil do twitter do Adam (e no meu também): "Reality is a lovely place but I wouldn't want to live there". Daquelas calminhas e fofas, bem no estilo Owl City.

2)Deer in the Headlights - Ouvi 15 segundos no site oficial e fiquei completamente viciada. Consegui uma versão completa antes do lançamento do CD e ouvi direto. Essa vai ser a segunda música de trabalho e eu mal posso esperar para ver o clipe.

3)Angels - Ok, já disse no facebook, no twitter e em mais um milhão de lugares que Angels, para mim, é a melhor do CD disparada. Impossível não ficar com o "wake me if you're out there" na cabeça. Super me identifiquei e tô para dizer que superou a minha favorita de todas, Hot Air Balloon. Amei amei amei!

4)Dreams Don't Turn to Dust - Minha segunda favorita do CD. Quando eu ouvi a prévia das músicas, essa foi a que eu mais gostei. É muito boa e a que mais combina com o meu livro, parece que foi feita pra ele.

5)Honey and the Bee - Essa tem a participação da Breanne Duren, a vocalista de apoio em algumas músicas, como Fireflies. Eu acho a Breanne fofa e até tenho uma música dela no meu iPod, mas a voz dela parece a voz de uma criancinha. Mas combinou. Mais uma da série fofinhas.

6)Kamikaze - Na primeira vez que eu ouvi Kamikaze, achei que não tinha nada a ver com as outras músicas. Na segunda também. Na terceira, amei. É meio diferente, mas tão viciante quanto o resto.

7)January 28, 1986 - É, na verdade, um discurso de Ronald Reagan sobre a explosão da nave espacial Challenger. Introdução de Galaxies.

8)Galaxies - Galaxies foi a segunda música que eu ouvi do disco novo. E é bem o que eu falei na época. Tem uma batida muito boa. E apesar da pegada gospel, eu me pego cantando toda hora.

9)Hospital Flowers - É a mais fraquinha. É bonitinha também, mas até agora foi a que eu menos ouvi. Não que seja ruim, até porque eu gostei de todas as músicas. Talvez não tenha me encantado tão rápido como as outras.

10)Alligator Sky - A versão que veio para o CD é a que tem a participação do Shawn Chrystopher, que eu nunca tinha ouvido falar antes. Eu tenho uma outra versão sem a participação, que eu gosto mais. Foi a primeira música de trabalho e tem clipe.

11)The Yacht Club - Tem a participação da Lights, que eu amo. É muito muito muito boa. Dá vontade de sair dançando por aí. Uma das minhas favoritas também.

12)Plant Life - Essa eu também achei mais ou menos. Mas é daquelas que, se você ouve bastante, acaba gostando.

Tem as faixas bônus também, mas não tem nehuma que eu tenha realmente gostado.

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Vinte e três

A primeira vez que eu ouvi a música "Twenty Three", do Yellowcard, eu tinha 17 anos e pensei: "Nossa, falta tanto tempo para eu chegar nos 23". Naquela época, tudo o que eu mais queria era passar no vestibular e começar uma vida nova. Até que deu certo. Entrei de um jeito na faculdade e saí de outro. A meninha boba deu lugar a uma mulher totalmente diferente.

Meu aniversário passou e eu cheguei nos 23. É um pouco assustador, devo confessar. Já estou naquela fase em que as pessoas podem dizer: "ela tem vinte e poucos". Medo!

Toda vez que eu completo mais um ano de vida, eu desejo ser feliz. Desta vez, não criei expectativas. Se tem uma coisa que eu aprendi é que tudo fica mais fácil quando a gente não espera nada. Talvez porque quando estamos desencanados, nos surpreendemos. Recebi mais de 100 mensagens no facebook. Pessoas muito queridas com palavras que me confortaram. Arrancaram sorrisos que há tempos eu não dava.

O fato é que anda tudo calmo demais. Não está cinza, como eu costumava escrever. Está naquele tom fraquinho de azul em que não sabemos se está frio ou calor. Estou perfeitamente bem! O sentimento de vazio será substituído. Como diria uma amiga, não é a falta, mas a vontade de completar.

O pior já passou, as coisas boas estão a caminho.

sábado, 21 de maio de 2011

Desafio

O mundo é injusto. É sim. Se não fosse, por que existiria tanta gente triste? E quando eu digo triste, digo em um sentido geral de tristeza. Não podemos controlar, o sentimento vem instantaneamente. E é aí que nós temos que encará-la com toda a força para não deixar que ela nos domine.

O amor é poderoso, mas a tristeza... A tristeza é um milhão de vezes pior. Pior porque o amor cega, ilude e nos torna bobos, mas quando a sensação de vazio chega, é quase impossível deixar que ela passe sem deixar nenhum efeito corrosivo. O engraçado é pensar que a própria tristeza vem do amor, vem da capacidade extrema que nós temos de amar.

Já pensei várias vezes no porquê de alguns pontos da minha vida não darem certo. Tenho a impressão de que você não pode ter a felicidade completa. Ou você é bom nisso ou naquilo. Os dois não. E eu cansei de perguntar para mim e para o mundo qual é a razão de tudo isso.

Nós, que amamos incontrolavelmente e fazemos o maior esforço possível para não entregar a nossa vida, sofremos. Muito. É a vontade de chorar que deve parar na garganta, as lágrimas que não podem rolar pelo rosto. É a impotência diante de pessoas queridas. Queremos a felicidade de todos, mas, acima de qualquer coisa, a nossa. Principalmente se tivermos sentido como é ser feliz por completo.

Na verdade, acho que estamos acima das outras pessoas. Fomos escolhidos para passar por tudo isso porque somos fortes e inteligentes. Tanto que a vida nos desafiou. Não vai ser fácil, mas nós podemos passar pelos obstáculos. Ela vai nos testar, vai querer ver como conseguimos viver sem um pedaço. E então, talvez quando menos esperar, ela vai recompensar, entregará um prêmio por ter vencido o desafio. Ou não, e isso só seja resolvido quando tudo terminar.

Related Posts with Thumbnails